sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Para Patrícia

Este post é para agradecer a Pat pelo lindo presente que ela me deu ontem. Com todo o carinho do mundo, escreveu um post pra mim com dicas preciosas sobre a vida de uma recém-mãe. Tenho de reproduzir o texto aqui pra garantir que ele não se perderá. Obrigada, Pat! Você é um amor. (Ah, e pra quem não conhece a Patrícia, passem lá no blog dela e conheçam a linda Mariana).

A Lia está chegando na reta final da gravidez. Período de ansiedade, acho que das maiores que há na vida. Eu, pelo menos, ansiava pelo desconhecido. Como seria ser mãe? Minhas dúvidas não eram filosóficas. Eram práticas. Eu saberia trocar fraldas? Conseguiria amamentar? Saberia cuidar de alguém 24 horas por dia? Eu seria boa mãe, no sentido prático da coisa? Porque instinto maternal eu nunca tive muito não... Nem nunca fui muito fã de crianças, assim no genérico. Gostava (e gosto) de crianças específicas. Das minhas sobrinhas e dos meus afilhados e de uns sobrinhos emprestados (e agora uns virtuais) e é só. Daí a dúvida. No final da gravidez encasquetei que não queria mais que Mariana nascesse. Que ficasse na minha barriga, que lá eu sabia o que fazer. Mas, claro, ela nasceu e me considero uma boa mãe. De novo, não no sentido filosófico, mas no sentido prático mesmo. Me saí melhor do que esperava no setor da puericultura. Soube trocar fraldas com facilidade. Amamentei sem problemas. Soube dar banho de primeira, sem ajuda nem nada. E me virei bem de uma maneira geral. Penei em alguns momentos, mas hoje tudo está muito mais fácil. Um ano e quatro meses de experiência devem valer alguma coisa.E assim, na qualidade de amiga virtual, quero presentear a Lia com o pouco que aprendi nesse que foi o período mais intenso, mais cansativo e ao mesmo tempo mais prazeroso de toda a minha vida:

1. É fato que você vai dormir pouco. Mas a gente se acostuma a dormir menos. Juro. Antes da Mariana nascer eu dormia 10, 12, horas seguidas. E hoje, mesmo dormindo a metade disso, fico inteira no outro dia. O corpo se acostuma.
2. Nenhum bebê é igual dois dias seguidos. Sábio conselho da minha mãe. Hoje não dorme, amanhã dorme. Hoje está de mau humor, amanhã tudo volta ao normal. Hoje come à beça, amanhã não come nada. E por aí vai. Então não vale à pena se desesperar por pouco.
3. Nas horas de desespero (muito choro, muita cólica, muito cansaço) mentalize o mantra: vai passar. Porque passa, viu?
4. Faça back up das fotos. Perdemos TODAS as fotos da Mariana do nascimento até os seis meses, incluindo maternidade e batizado. É. Deu pau no computador e não tínhamos back up. Conseguimos recuperar algumas com minha mãe e meu irmão, mas quase tudo se foi. Cuidado!
5. Talvez o primeiro mês seja fácil para você. Mas se não for – e para mim não foi - garanto que assim que se passarem os primeiros trinta dias, tudo parece que se ajeita. Não sei o que acontece, mas com um mês tudo melhora.
6. Ouvidos de mercador para os palpites. Basta você ser mãe para todo mundo saber mais do que você. Não esquente, não sofra com isso, finja que aceitou e siga sua vida. Desconsidere até mesmo esses meus palpitinhos, se não te servirem de nada!
7. O pediatra não é Deus. Não é porque ele disse que você tem que seguir 100%. Eu escuto e filtro. Faço o que bem entendo muitas vezes e tem dado muito certo.
8. Siga a sua intuição. Acima de tudo e de todos. Costuma dar mais certo que qualquer outra coisa.
9. E last but not least, prepare-se: O maior amor do mundo te espera, bem aí na sua barriga!

14 comentários:

Patricia disse...

Lia, vc é que é um amor. E essa tia virtual está louca para conhecer a Emília.
beijos!!!

Marina disse...

Lia e Patrícias dicas aprovadaqs 100%!
Tem razão em tudo!
beeeeeeeijo

Nina Fiuza disse...

Oi Lia! TE vi no blog da PAT e vim dar meu "presentinho" de chá de bebê também.
Primeiro vão dois práticos:
-Sempre que tiver um tempinho, vá ao album do bebê e anote tudo. Como blogueira, você deve gostar de escrever. Se seu bebê te olhou de um jeito diferente, vá e registre. Não deixe pra mais tarde porque a gente vai esquecendo... E é uma delícia pegar estes albuns e ler depois. MInha filha (que já tem cinco anos, oh céus!) ama quando eu leio pra ela.
- Grave os barulhinhos do bebê, as primeiras palavras. Eu só fui fazer isso quando ela já tinha dois e me emociono toda vez que escuto.

Bom, acho que vou ficar só com os conselhos práticos mesmo. Do resto a gente nem consegue falar... não cabe em palavras. Passe no blog e leia os posts marcados com a tag MATERNIDADE.
Boa sorte pra vc!

Nina Fiuza disse...

Meu nome é Marina Fiuza, Nina é apelido. Eu me formei em Letras na UFMG. Hoje moro em São Paulo... Será que nos conhecemos?

Nina Fiuza disse...

É, pode até ser. Eu estive na UFMG justamente neste período. Com certeza nos esbarramos pela fafich, apesar de não lembrar do seu nome. Tenho 26.

Um post pra indicar: http://maesolteirarecemcasada.blogspot.com/2009/05/adoravel-intruso.html

Agora vou sair do computador senão o dia passa e eu fico aqui pra sempre.
PRazer! Já está linkada! Não dá pra te seguir?

Lia disse...

Então, Nina, acho que dá sim porque eu tenho seguidores (é engraçado, parece Jesus... hehehe). Não entendo nada disso, mas tô vendo naquela barra azul escuro lá em cima, à esquerda, um link escrito "seguir". Acho que é assim que faz! Beijão!

Christina Frenzel disse...

Lia, as dicas acima são excelentes!!!
Eu ainda digo mais, a cada três meses, o bebê tem o chamado 'salto de desenvolvimento' e as coisas vão se descomplicando sozinhas, parece milagre rsss
Como blogueira, eu anotei tudo num bloco e depois fui passando para o blog, mas sempre, sempre, fazendo back-up de tudo.

Beijocas e parabéns pelo blog e pelas amigas fofas,
Chris

Tati Schiavini disse...

Olá, Lia. Estou visitando seu blog e adorando! Muito doida e deliciosa essa nossa aventura na maternidade. Lindo post da tua amiga, e sábios conselhos. Beijo.
www.comtdetati.blogspot.com

Kelly Resende disse...

Adorei as dicas da Patrícia, vou tentar segui-las também!
Beijos

JULIANA disse...

Ai que LINDO! Tirando a do pediatra eu concordo absolutamente com tudo! E preciso fazer um back up urgente!

dannah5 disse...

A Patricia fez um post muuuuuuuito verdadeiro e muito legal. Tudo que ela disse ali em assino embaixo.

Vou acrescentar uma coisa, se sentir o famoso "baby blues" chora mesmo, nao fica com vergonha. Logo no inicio da um misto de felicidade e panico, a gente fica com os sentimentos embaralhos e dá uma tristeza no peito. Não é depressão pos parto é a confusao hormonal mesmo, deixa a gente assim. Nao ache estranho pq eh assim mesmo, mas passa em 2 semaninhas.
Nem todas tem mas muitas se sentem assim!
Ah, e abusa da ajuda q puder ter da familia no inicio! :D

Beijocas e parabens, por receber esse carinho tao gostoso da Pat e merecidamente!

Fabi disse...

também tô com vontade de chorar...

Lu disse...

Oi Lia
Lindas as palavras da Patricia, sem contar que as dicas são muito boas mesmo. O resto vc vai descobrindo na convivencia com a Emilia.
Bjs
Lu

Letícia Volponi disse...

Excelente, adorei e como mãe de uma garotinha de dois anos, assino embaixo de tudo o que a Pat escreveu.

Blog Archive

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.