segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Sobre armas e outras coisas mais (ou: Histórias do meu irmão)

A Adriana, amiga da Roberta, dia desses fez um post no blog dela sobre perigos domésticos. No caso, ela falava sobre crianças que pegaram facas afiadas numa lava-louças aberta. Na hora, lembrei do meu irmão e resolvi escrever este texto sobre ele.

Desde pequeno, meu irmão se interessava por engenhocas. Gostava de mexer nas ferramentas do meu pai e nos aparelhos eletrônicos. Meus pais compraram um kit de ferramentas de plástico e ele logo descobriu como era interessante bater com o martelo na cabeça de um recém-nascido (no caso, moi). Ainda pequenininho, desmontou o rádio de um conhecido do meu pai e, obviamente, não conseguiu montá-lo de volta. Depois que viemos pra Brasília, ele, com já mais de 6 anos, abriu nossas bonecas que falavam, extraiu cirurgicamente o motorzinho e colocou num carrinho de lego pra fazê-lo correr (percebam que seu interesse não era o carrinho, mas o motor).

Não lembro quantos anos ele tinha quando ganhou a primeira faca (dessas tipo adaga, curvas) e sua primeira espingarda de pressão. Meus pais eram loucos? Vejam a situação e avaliem.

Já muito novo ele começou a pedir armas, e não podia ser muito de brinquedo; tinha que pelo menos atirar bolinhas com uma força considerável. A resposta sempre foi não. Então um dia a professora da escolinha disse que ele estava fazendo revólveres com bolachas cream cracker. Foi então que eles cederam.

E meu irmão nem precisava de armas prontas. Se não as tivesse, ele mesmo fabricava alguma coisa perigosa a partir de materiais inusitados. Uma vez ganhou umas cápsulas de bala vazias de um tio avô. Então ele raspou as cabeças de vários palitos de fósforo e socou nas cápsulas junto com outras coisas que eu desconheço (limalha de ferro, enxofre, sei lá, coisas que eu nem sei onde ele arrumava). Daí ele explodia as cápsulas e ficavam umas marcas lindas no teto da cozinha.

Também fabricava facões com tubos de alumínio. Também não me perguntem onde ele arrumava esses tubos. Pegava um martelo (dessa vez de verdade, não de plástico), batia, batia, até o tubo ficar achatado. Daí ele amolava um dos lados, e voilà! Quando íamos pra um lugar onde tinha mato, ele fica sacudindo essa “espada” de um lado pro outro, cortando as plantas. Confesso que eu achava super legal.

E tinham também aquelas telas com buraquinhos. Ele cortava as extremidades dos buracos e fazia estrela ninja, soco inglês, enfim, qualquer coisa extremamente cortante.

Meus pais então desistiram e compraram uma espingarda de chumbinho (que foi roubada, e eles compraram outra no lugar!), uma coleção de facas e mais outras excentricidades tecnológicas: binóculo que permitia ver as crateras da lua, microscópio, tubo de raio laser.

Apesar do arsenal bélico, meu irmão sempre foi um menino muito bonzinho. O problema é que ele nasceu com uma inclinação natural para esse tipo de “brinquedo”, e essa mesma curiosidade levou-o a ser um brilhante aluno, principalmente na área de exatas, e estudar no ITA anos depois.

Até virar adulto, ele explodiu mais um monte de coisas e incendiou outras tantas. Quando tudo parecia mais calmo, minha irmã foi visitá-lo em Porto Alegre e conta que o viu brincando com uma canetinha que projetava um laser verde. Por causa da potência, o brinquedinho trazia a inscrição: DANGER! Eu digo que vou mandar fazer pra ele uma camiseta com esses dizeres ou algo do tipo CAUTION ou BIOHAZARD.

E escolhi essa criatura pra ser padrinho do meu bebê... Tenho juízo?

3 comentários:

LiliX disse...

a minha lembrança do Daniel era dele esparramado no corredor da sua casa montando alguma engenhoca sensacional.....passava a tarde inteira lá e de repente ele gritava Liaaaaa! Lidiaaaa (moi)...venham ver! e meu....era sempre algo bizarro...eu secretamente admirava aquele cerébro... hehehehe

Letícia Volponi disse...

Daniel? Deve ser mal do nome ou temos o mesmo irmão (rs)...

Clara Viegas Miranda disse...

E eu casei com ele e sou apaixonadaaaaa!! Aventuras....

Blog Archive

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.