quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Carta para Emília - deixando pai e mãe

A culpa. Este é um sentimento que toda mãe tem. A sua mãe, meu amor, parece um pouco mais tranquila que a maioria, mas mesmo assim às vezes também se culpa.

Quando a gente vira mãe, muita gente diz muita coisa sobre o jeito certo de criar nossos filhos. Tem gente que diz que é melhor a mãe não trabalhar pra cuidar das crianças. E tem gente que diz que é melhor a mãe trabalhar pra depois que os filhos crescerem ela não ficar se sentindo inútil, e que a escolinha faz bem pras crianças. E tem um monte de outras coisas que as pessoas dizem às mães, e às vezes a gente fica tão confusa com tanta informação que nem lembra mais em que a gente acredita. E é nessas horas que a mamãe sente culpa.

Quando a gente vira mãe, fica tendo uma pessoinha toda dependente da gente. As coisas que a gente faz ou deixa de fazer podem influenciar sua felicidade, sua saúde e suas emoções no futuro. É muita responsabilidade, né? Já pensou se eu descobrisse que você se tornou ansiosa, ou nervosa, ou desanimada por causa de alguma coisa que eu fiz ou deixei de fazer?

É verdade que nem tudo depende dos pais. Você já nasceu com uma personalidade própria – aliás, muito adorável. E outras coisas também vão ajudar você a construir seu futuro. Mas eu acredito muito que o carinho e a educação que eu te der vão ser as coisas mais importantes pra você virar uma adulta legal.

E ultimamente a mamãe tem sentido um pouco de culpa por passar o dia todo longe de você e depois ficar cansada demais pra te dar toda a atenção que você merece. Se a mamãe não trabalhasse, provavelmente se sentiria culpada também, com medo de não estar assumindo uma responsabilidade de adulto. Porque hoje em dia todos os adultos têm que trabalhar, homens e mulheres, especialmente se tiverem filhos, pra poder comprar as coisas pra casa.

Mas crescer, meu amor, é se desligar do que os outros dizem e fazer o que achamos melhor. E sabe por quê? Porque quando a gente cresce, a gente fica responsável pelo que nós fazemos.

Quando você é criança, se você estragar uma coisa do vizinho é seu pai quem paga. Mas quando você é grande, não tem mais o papai pra consertar os seus erros. Então, já que é a gente que vai ter que resolver os problemas, é melhor fazer mesmo do nosso jeito, né? Porque se alguém me mandar dar uma mamadeira pra você e depois você não quiser mais mamar no meu peito, eu não vou poder colocar a culpa nesse alguém. Você é minha responsabilidade, e se eu fizer alguma coisa de errada na sua criação, mesmo se for pra seguir os conselhos de alguém mais experiente, a culpa é minha, e só minha.

A Bíblia, que é um livro em que mamãe acredita, diz que quando a gente se casa a gente tem que deixar pai e mãe. Isso significa que a gente agora vai fazer nossas próprias escolhas, vai ser responsável pelo que faz. A gente vai continuar amando nossos pais, e respeitando, mas eles não vão mais poder decidir nada por nós. Onde vamos trabalhar, se vamos trabalhar, o que vamos comprar com nosso dinheiro e nem como vamos criar nossos filhos.

A mamãe já se casou há algum tempo, mas só depois que você nasceu fui entender de verdade essa ordem. E eu quero muito ter a liberdade pra seguir meu coração e criar você do jeito que eu sinto que é o melhor. Só o seu pai pode participar disso, e ele é um cara muito legal que te ama um monte, e quer que nossa família seja muito feliz. Junto com ele, eu decidi que o dinheiro não é nem de longe a coisa mais importante pra nós. E que responsabilidade não precisa ser passar o dia longe de casa pra ganhar mais dinheiro. Responsabilidade é cuidar com toda dedicação das coisas que são mais preciosas pra nós.

Gostei muito de decidir passar mais tempo com você e com os irmãos que você vai ter, mesmo que eu ainda não possa fazer isso agora. Mas não vai demorar muito, meu amor. E o meu coração vai estar em paz, porque foi uma decisão que eu tomei com seu pai, e nós estamos conseguindo deixar nossos pais e nossas mães para trás.

Um dia vai ser sua vez de nos deixar também. E eu quero que você tenha a maior paz do mundo pra tomar suas próprias decisões, porque a nossa tarefa vai estar cumprida.

Com todo amor,

Mamãe.

25 comentários:

Joci disse...

Lia!!! linda carta! completamente cheia de amor!

parabéns por seguir seu coração!

beijos

Carol Passuello disse...

Lia, que lindo!
Acompanho seu blog, nunca comento, mas hoje tinha que ser diferente!
Acho que é por isso que dizem que a gente não nasce, mas se torna mãe, né? Vamos tomando decisões difíceis, construindo o jeito que queremos maternar.
De coração, espero que sua decisão seja acertada, e que você curta MUITO a sua cria.
Bjs

Devaneios de Mulher disse...

Que post emocionante Lia, estou aqui fazendo um balanço da minha vida também, impossível não fazer!
Eu também estive muito balançada no retorno ao trabalho, pois não estava e não estou feliz no que estou fazendo.
Conversei bastante com meu marido e acho que até o final do ano devo pedir as contas também, já que fui aprovada em outroo concurso e trabalharei 1/2 período!
Enfim, ser mãe é isso, ter este misto de sentimentos, nos culpar e o principal,amar incodicionalmente!

Micheli disse...

Oi, Lia! Que linda a carta!
Entendo perfeitamente. Eu, por mim, só cuidava da Clara. Fiz isso enquanto pude e como pude, pois tinha material pendente para entregar de clientes (e muitos) quando a Clara nasceu. Transferi o escritório para casa, e fui trabalhando quando dava. Ela só foi para a escola quando não foi mais possível conciliar - mas antes disso trabalhei muito de madrugada mesmo... Ainda assim, só abri mão de estar com ela meio período. E, se não tivéssemos contas que não dependessem do meu dinheiro, eu não trabalharia por mais algum tempo. Porém, como preciso, enquanto é possível é só meio período. Infelizmente essa decisão é mais minha que do meu marido, que se preocupa muito com as contas. E a vida hoje é muito cara. Mas prefiro abrir mão de alguns confortos e cuidar de pertinho da pequena, curtí-la muito mais... Por deixá-la meio período não me culpo, passa tão rápido...! E acho que para ela vai ser bom se orgulhar da mãe ter uma profissão... Acho que se possível essa é uma boa opção. É uma meio termo entre quem larga tudo e quem passa o dia todo fora. E acredito que vale muito a pena.
Beijos.

Sarah disse...

Linda cartinha! Emília com certeza terá orgulho da mamãe, por suas escolhas, decisões, maturidade e ensinamentos que deixará para ela.
beijos

Ana disse...

Linsa carta Lia, muito linda, sincera e verdadeira.
Parabéns pela sua coragem em seguir o seu coração.
Hoje passo pela angústia do caminho contrário.
Precisar voltar a trabalhar, mas não querer ficar o dia todo longe do meu filhote.
Mas essa decisão que vc tomou agora eu tomei a 4 anos atrás. E ainda acho a mais certa para mim e para meu filho. Então não vou mudá-la por dinheiro. Como vc disse, com certeza dinheiro é a última coisa que os nosso pequenos precisam.
Beijos!

Natalia disse...

Decisão bonita, Lia. Dessas do tamanho da vida. Me fez lembrar de um filme chamado Piedras, que vi há um tempão. O filme era sobre a história de algumas pessoas e não tinha nada a ver com pedras, diretamente. Mas o diretor explicou algo como: na nossa vida, existem as pedras grandes e as pequenas. Se a gente organiza as pequenas antes, as grandes não cabem. Se a gente organiza antes as grandes, as pequenas cabem entre elas. E as grandes são o amor e o que faz a gente feliz.
Beijo em você. E fique orgulhosa da sua coragem...

Mamãe Nathi disse...

Post lindo!
Saiba que me ajudou muito!!!
Tô (ou estava) num dilema terrível: Decidir se volto ou não a trabalhar depois do nascimento da Julia!!!

Obrigada!

Beijinhos***

Thais Paim disse...

Ai Lia! Assim eu choro no trabalho poxa! Hahahaha! Não vale!!!!
Apoio a sua decisão!!! Deixar os pais não é fácil, mas é necessário!!!

Vou orar por você e sua família! Vai dar tudo certo! Já deu!!!

Beijinhos!

Thais Paim(Pia)

Mamãe da Dudinha disse...

Oi LIa, adorei seu blog, pensamos igualzinho em certas coisas..por isso estamos te seguindo. Eu se Dudinha!!
bjãoo

Tathyana disse...

Bravo Lia!!! Concordo com vc que quando a gente casa e tem filhos deixa para trás pai e mãe. Mas é exatamente o que eles ensinaram pra gente durante toda a vida que fica. E ter clareza disso é sinal de maturidade e de que seus pais fizeram um ótimo trabalho. Vejo vc uma mãezona para a Emília, passando valores e afeto. E vc é cuidadosa com o seu casamento, o que é fundamental. Parabéns pelo passo que deste rumo a felicidade de todos vcs. Bjão.

Juliana disse...

Corajosa você heim? É isso aí, siga seus instintos maternos e de mulher também. O nosso coração é muito mais sábio que a razão na maioria das vezes. Boa sorte amiga.

Marina Fiuza disse...

Que linda carta, Lia.
Há duas semanas eu terminei minha segunda graduação me pedagogia. Fui lá na faculdade pela última vez e anunciei com alegria isso para minha filha. Ela deu pulos de alegria e disse: "depois você vai terminar o seu mestrado, depois vai terminar o seu trabalho e aí a gente vai ser muito feliz!!!!" Eu quis morrer, é claro.

Semana passada eu estava conversando com meu marido sobre aquelas questões profissionais e chorando e quando ela entrou no escritório e me viu ficou brava com meu marido. Perguntou assim: "Papai, vc estragou o trabalho da mamãe e agora ela vai ter que começar tudo de novo? Foi isso? Não pode papai!". Eu me vi na fala dela. Eu quis morrer, é claro. (2)

Ah culpa...

Marcita disse...

Que coisa mais linda. E que decisão difícil de tomar. Eu tenho a mesma dúvida, mas como algumas coisas mudaram por cá, agora eu não tenho mais dúvidas, eu tenho que trabalhar. Mas, se pudesse, claro que optaria por ficar em casa. Nem que fosse por apenas mais 4 anos. Meu filho vai pra creche daqui a 1 mês e eu já estou sofrendo por antecipação!

piscardeolhos disse...

a-ê dona lia!!!!!!
ARREPIEI com a carta, cousa linda de se ler.
torcendo por vcs!
beijo

Renata disse...

Linda carta! Emília é menininha de sorte, já disse isso!
Vi seu comentário no blog da Paloma sobre pedir pro filho de 2 anos "cuidar" do recém nascido e dá certo, viu? Peço pra ele bater um papinho com a Nana quando preciso fazer alguma coisinha rápida e ela fica distribuindo sorrisos pra ele.
beijos e parabéns pela decisão!
Re

(Mamãe) ~Pinel disse...

Fico feliz de terem tomado a decisão que acharam mais adequada ao que vocês querem e não ao que os outros pensam ou dizem!
E por este motivo dará tudo certo, e com certeza vocês 3 (e os próximos) serão muito muito felizes!

Ainda moro com meus pais e meu namorado com os pais dele, mas depois que a Lara nasceu eu comecei a crescer, como voce disse, pois me sinto mais livre e com mais coragem de tomar as decisões que eu acho certo pois sempre penso no bem e no futuro da minha pequena!

Beijo, e boa sorte para a mudança!

A menor casa da rua. disse...

"A Menor Casa Da Rua", um blog com dicas e muito mais para os pequenos moradores, confira:
amenorcasadarua.blogspot.com

somospaisdegemeos disse...

Oi Lia, tudo bem? Gostei muito de conhecer o seu blog, que delícia! Sou mineira de BH e tenho gêmeos: Francisco e Pedro. Eles estão com um ano e um mês e eu e o pai exatamente há este tempo reaprendendo a viver. Não tem sido fácil, mas não abriria mão de tudo isso por nada. Também gostaria de ter muitos filhos, como vi você dizer, aliás, acho que queria uns 5 ou 6. TAlvez adote alguns. Tenho 39 anos e a prática tem me mostrado que não é fácil cuidar com amor, zelo e tudo mais dos nossos pequenos. O aparato externo nos exige muito. Eles, nem tanto... são maravilhosos e nos entendem talvez mais que nós a eles. Iniciei um blog que se chama somospaisdegemeos1.blogspot.com. Entre lá e conheça, me dê dicas e vamos nos falando. Parabéns e felicidades. Um abraço. Simone

Barbara disse...

aeeee, parabens pela decisao!
barbara - www.baxt.net/blog

LiLix disse...

chorei.
:)

saudade amiga. de vc e da olhudinha.

Bela Neiva disse...

Lia,

Sigo seu blog e vc escreve tão bem que fico com vergonha até msm de deixar um comentário por aqui. Vai que falo uma burrada? Rsss. Mas hj tinha que ser diferente... Me identifiquei ao inverso com o post. Explico. Me senti tão pressionada pelos outros a ter que trabalhar que, por vezes, me questiono se eu e maridon tomamos a decisão acertada. Pra mim a prioridade é o pequeno. Nada mais importante que ele. E, se a vida me deu a chance de curtir ser mãe tempo integral, pq não? Que bom que vc seguiu seu coração e vai poder ficar por perto da filhota mais tempo.
Bjs!
ah, meu blog é http://belaneiva.blogspot.com/ passa por lá qdo puder

Juliana disse...

Que delícia de ler. A propósito, é quase irresistível escrever para os nossos filhos, né?

Fernanda Lucas disse...

Ai que tudo essa carta!
Me sinto exatamente assim, sem saber se volto ao trabalho, estou orando e pedindo uma direção de Deus.
As vezes penso em escrever cartas pra Isadora, mas travo na hora, sei lá rs.
Bjos

Desconectada disse...

Lia,
Parabéns pela coragem e bem-vinda a este novo universo. Tomei essa decisão há três anos. Meu lado materno encontrou a paz. Meu lado profissional entrou em fúria! Mas prefiro assim -e o maridão também, viu!
beijos,
Patricia
www.comerparacrescer.com

PS: E sabe que as contas estão supercontroladas hj do que quando eu tinha uma renda? Vida longa ao Excel e o controle de gastos domésticos. hehe

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.