terça-feira, 28 de setembro de 2010

Agarradinha

Emília está numa naquelas fases da chamada “ansiedade de separação”. A e a Ana escreveram sobre isso recentemente, associando esses momentos de grude a picos no desenvolvimento do bebê.

Ela está aprendendo a engatinhar, então essa pode ser uma boa razão. Também tem os dentes, que não param de sair. Ela tem 8 meses, 3 pares de dentes e mais um a caminho. Somem-se a isso a conjuntivite que ela teve há duas semanas e a febre que a manteve em casa na última sexta-feira.

O resultado é que ela anda bem dengosinha, chorosa e só quer ficar comigo. Se estivermos só nós duas em casa, ela até brinca no tapetinho feliz da vida, comigo ao lado. Mas se aparecer outra pessoa – até o pai –, ela começa a exigir colo (o meu, né?). Como se quisesse a maior privacidade possível nesse momento a duas.

Também faz dois dias que ela dorme na nossa cama. Anteontem, ela simplesmente não pegava no sono se a colocássemos no berço. Tentamos 4 vezes e, depois de muito choro, sucumbimos ao cansaço e a deixamos dormir conosco. Ontem ela dormiu fácil, no berço, mas lá pelas 23h acordou e não havia nada que a fizesse adormecer de novo. Dei o peito umas 10 vezes, andei com ela pela casa durante quase uma hora, e ela só chorava, com uma expressão horrível de dor no rosto, se contorcendo toda como se fosse um recém-nascido com cólicas, e com uma tosse seca que não parava. Deitei com ela na minha cama porque eu não agüentava mais ficar em pé, mas não imaginei que fosse adiantar alguma coisa. Aos poucos, ela foi se acalmando, adormeceu e lá ficou.

Deixá-la na creche também não tem sido fácil. Ela se agarra na gente (normalmente é o pai quem a deixa, hoje fui eu porque ela tinha natação) e chora muito. O Rafael até comentou: “Infelizmente a gente não pode ligar pro chefe e dizer: ‘hoje não vou trabalhar porque minha filha está chorando’”.

O que me dói mais é justamente não poder estar com ela quando ela está precisando. Pelo bem que conheço minha filha, sei que ela é independente, dócil e sociável, e que não preciso fazer nada pra forçá-la a ir com outras pessoas. Mas agora ela me quer, precisa da minha presença para lhe dar segurança, seja pra aprender a engatinhar, seja pra superar alguma dor física que ela esteja sentindo e a gente não vê.

Já deu pra perceber pelo que escrevo aqui que sou absolutamente contra técnicas para ensinar o desapego à criança. Acredito, ao contrário, que a independência vem da segurança que nós, pais, passamos a ela. E nesse momento tão especial da minha filhota, quero estar com ela todo o tempo que puder, e lamber bem muito essa minha cria.

17 comentários:

Martha disse...

Oi Lia... tbm estou passando por isso... por TUDO isso... a dias Laís dorme comigo pq, simplesmente, ñ tenho forças para fazer todo o ritual de colocá-la 300 vezes no berço até ela resolver dormir... e tbm a dias só consigo fazer alguma coisa em casa, com ela no colo, ou com o pai na porta da cozinha! Tem sido bem cansativo e os dias tem passado rapido demais - acho q eu q to afzendo coisas demais... hehe
Quanto a separação na hora de trabalhar ñ tenho tido muito problema! Sempre me despeço e mesmo quando la chora, minha mãe conversa com ela, diz que to indo trabalhar pra ter dinheiro para ir no Shopinhg e para fazer a festinha dela e aí ela para de chorar.. simples assim.. Ñ sei pq, mas tem funcionado! Então aproveito para sofrer menos!
Escrevi demais.. rs
Bem... acho que uma fase.. uma hora passa!
Bjs

Dani disse...

Lia, Lia...ai que difícil essa fase grude né...falo difícil nessas horas de deixá-la na escolinha. Lembro que nessa época eu deixava a Nina na casa da minha mãe de manhã para trabalhar e ela não queria sair do meu colo de jeito nenhum. Era torturante! Mas, aqui, também funciona o mantra do "vai passar" e também "vai voltar". Agora, por exemplo, acho que pela gravidez...sei lá...o grude voltou. E eu não to nem aí: quer colo, venha, quer dormir comigo, venha...
Beijo e muita força por aí(e aproveita esse grudinho gostoso!)

Patricia disse...

Lia,
li o título e pensei: - Emília deve estar com 8 meses. Bingo! É com essa idade que começa o grude. Em casa ainda continua, mas claro que vai melhorando. Eu concordo com você, nada de treinar o desapego, quanto mais elas souberem que nosso colo está sempre disponível, menos precisarão lutar por ele.

beijos

Beta, a mãe disse...

Lia, eu não imagino como deve ser difícil pra ambas, eu nunca precisei sair de perto da Bia e isso foi ótimo, espero que tudo se resolva logo, como você já deve ter percebido, são fases que vão, do mesmo jeito que vieram. Desejo muita paciência nessa fase e logo logo vai dar tudo certo. Sobre os dentes, eu tenho uma dica que pode ajudar com ela, que ajudou um monte com a Bia mais ou menos nessa fase, eu usei o Nenê dent, uma pomadinha que compra na farmácia, bem naturebinha, que ajuda nessa fase chatinha e deixa a criança mais calma, ela usou dos 6 aos 11 meses e era isso que ajudava ela a dormir sem aquela dor chata, eu sempre colocava um pouquinho na chupeta e ela logo se acalmava e dormia feito um anjinho, tenta e depois me fala se deu certo. Beijos

Marina Fiuza disse...

;)

Suellen disse...

Ain Lia, é exatamente sobre esse assunto que ia postar la no BLog da Dudinha, é bem isso que to passando com minha menina, vc acredita que até na alimentação esse "grude" tem influenciado, comigo sozinha ela come, se chega alguém, até o pai tbm, ela chora, não come mais e quer colo, ja to sem oque fazer..ai vem dente, ai vem vacinas, ai vem o desmame, ai vem tudo minha filha, e a mãe aqui se acaba no cansaço e no stress..bjo

Renata disse...

Eu concordo 100% com você que a independência vem da segurança que passamos para o bebê. E fora que eles têm a vida toda para desapegar, mas não quando bebês, né? Bebês precisam dos pais, amor e carinho.
Só não se culpe por não poder estar com ela todo o tempo, tenho certeza que o tempo gostoso que passam juntas compensa os momentos de ausência.
beijo grande para as duas.
Re

piscardeolhos disse...

pois aqui em casa o grude segue firme e forte.
mas dizem que aos 4 eles casam, ficam independentes, fogem de casa e esquecem da gente pra sempre.
falando sério, agora: também acho que bebê agarrado é bebê seguro.
NUNCA comprei aquela do "vc tá mimando/dando colo/beijando/abraçando demais."
certas coisas na vida simplesmente NUNCA são demais.
e tenho dito.

Fabi disse...

Aqui estamos passando exatamente pelas mesmas coisas. Dentes nascendo, grude, noites de pouco sono, refeições rejeitadas, e outras cositas.
Desde ontem o Gustavo simplesmente não quer comer. Quando eu chego com o pratinho perto dele, ele começa a chorar. Mesmo que seja banana que ele adora, ele rejeita. Só quer o peito. E esta noite foi braba por aqui também...
Bem, espero que as coisas melhorem por aí!
Bjocas

Ah e obrigada por ser a comentarista número 1 do meu blog!!! ;)

(Mamãe) ~Pinel disse...

Esses picos de desenvolvimento são bem exaustivos para nós mamães mesmo, mas o melhor a se fazer é não desgrudar dela! Na medida do possível, claro!
A Kah do Tutto Petit fez um post exelente sobre isso, vale a pena dar uma olhada!
http://tuttopetit.blogspot.com/2010/09/lidando-com-os-saltos.html

As técnicas para lidar com isso são ótimas e funcinam mesmo!
Beijo! Boa sorte com a pequena!

Kelly Chalub disse...

Oi Lia!
bem vinda a fase da "angustia de separaçao"! Quando o Lucas começou a ficar assim achei que nunca passaria!! Ele só queria dormir com a gente, ficar no colo, etc. Eu não aguentei os embates não. Deixei dormir na cama, pegava no colo e etc. porque aguentar o choro era pior. Mas sempre com o medo de estar errando: de não deixar a criança "aprender" a dormir sozinha, brincar sozinha etc.
Agora estou vivendo a mesmíssima coisa com a Marina. E por incrivel que pareça, mesmo eu estando bem mais tranquila e até mesmo largada com algumas coisas por ela não ser a primeira filha, ela é um GRUDE!! Muito maior que o Lucas. Tem chorado com todos! Olha pra minha cara, faz bico e berra "dizendo" tipo assim: "Vc vai me deixar com ele/ela?"
Resumo: tenho passado meus dias praticamente com ela a tiracolo. Ela está engatinhando super bem e rapido, mas toda hora quer colo! Juntando-se a isso: não tem nenhum dente na boca (tá tudo pra sair ao mesmo tempo, gripes há mais de 1 mês e efeitos colaterais dos remédios para as gripes/otites/bronquites_. Nâo é mole não... Tô cansadona Lia.. Mas posso te garantir uma coisinha só: isso passa! Estou levando a Marina pra minha cama tbém. Alias, durmo mais com ela do que com o Estêvão. Por varias vezes ele já foi dormir em outra cama pois tava ficando apertado com ela no meio.. rs.. Mas nós dois sabemos que isso passa. E que incomodo que ela pode estar sentindo com tanta coisa ao mesmo tempo (dentes/angustia/remedios/gripes) é muito maior do que o nosso cansaço. O Lucas já tem 4 anos, dorme na cama dele e é claro que ainda nos chama para ir deitar lá com ele. Mas coisa leve.. sem neuras..
Por isso apoio vc. FAça o que puder para dar segurança a sua filha. Sem neuras..
A gente fica exausta.. mas a recompensa é boa!
Beijinhos pra vc! E mande fotinhas novas da Emilia pra gente ver!

Manu Paz disse...

Me emocionei com seu post e eu tbm estou passando por isso. Voltei a trabalhar esse mês e deixar a minha Sophia é triste para mim... Tem toda aquela história que ela está em boas mãos e bla bla bla, mas existe mãos melhores do que da propria mãe?
Mas a vida é assim... Precisamos seguir em frente!

Kelly Resende disse...

Oi Lia, que dificil hein! Tomara que essa fase passe logo e ela volte a ficar feliz e contente na creche e em casa. Fiquei de cabelo em pé qdo li nos comentarios que a fase grude começa aos 8 meses, será que a Clara ainda vai piorar? Ela ainda tem 7 meses e há mto é grudada comigo. rsss
Na creche ela tá mais calma, mas não pode me ver q se pendura em mim e fica dificil até de colocar no carro. Na hora de deixar tb se eu der tiau ela chora.
Beijos e boa sorte!

Desconstruindo a Mãe disse...

Você é uma mamaãe muito doce... não teria como filhota desgrudar facilmente, não acha?!

O Caio tem 1 ano e 8 meses e desde o episódio péssimo de não se adaptar à escolinha, está acrdando todas as madrugadas pra dormir EM CIMA de mim. Simples assim, ele quer controlar, saber onde estou e não desgrudar.

Estou torta, o sono não está sendo o ideal, mas ele está precisando... eu jamais vou recusar!

Até hoje curto muito um colo de mãe, com 35 anos!!! E ela não me nega nunca!!!

Olha só: tem selinho pra ti no Desconstruindo a Mãe...

Beijo,
Ingrid

Daniela Lopez Garcia disse...

Vc está certa!!
Amor nunca é demais e se esta fase existe (vou me preparar para ela!! rsrs) é porque tem de ser superada e nada melhor do que amor e carinho para isso!!
Também concordo contigo em relação à segurança!!
Fique tranquila!! O importante é que ela se sinta muito amada!!
bjs!!
Dan.

Patrícia Boudakian disse...

Eu entendo cada linha do que escreveu e ainda não tenho meu bebê nos braços. Imagino a tristeza que deve dar deixa-la sozinha enquanto está precisando de você.

Força!

Beijos!

Mãe do Pitoco disse...

Lia, se isso te consola, até hoje Pitos, com quase 2 anos tem esses momentos. Normalmente, como vc bem observou, vem seguido por um pico de crescimento ou desenvolvimento. Além disso, se os dentes estiverem para nascer, a coisa piora muito, porque eles sentem uma baita dor. A melhor coisa é dar bastante colinho quando você pode e orientar as tias da escolinha que ela está nesta fase delicada. Acredito que elas tenham alguma "técnica" para estes momentos sensíveis dos pequenos. beijos em vcs duas e, você vai ver, daqui a duas semanas a fase já passou e vc nem se lembrará mais.

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.