quarta-feira, 30 de junho de 2010

Um milhão de coisas

Quanto mais coisa a gente tem pra dizer, mais difícil fica arrumar tempo, organização mental e ânimo pra sentar e dar uma forma a tudo isso.

Estamos passando por um período de transição, Emília e eu. As papinhas começaram bem, enquanto o peito se complicou. A amamentação foi barra semana passada, com as mordidas. Depois ela ficou sem querer mamar direito, largava o peito chorando com meio litro de leite deixado pra trás, arqueava as costas se eu oferecia de novo e, pra compensar, passava a madrugada mamando.

Esta semana nos reconciliamos. E ela está mamando maravilhosamente, sem nenhuma ameaça de mordida. Vou dormir com os peitos vazios e ela voltou a aguentar 8, 9h de jejum noturno. Em compensação, chora durante a papinha e não consigo fazê-la comer mais de meia colher.

Desmamar de uma vez não é uma opção. Voltar atrás nas comidinhas também não. É muito cedo pra uma coisa e muito tarde pra outra. Meu marido diz que deve ser normal, que faz parte dessa mudança.

Mas estou doente, e é difícil não querer chorar.

+++

Mas tenho muito mais a dizer. Que agora ela larga o peito vazio com um sorriso absurdo daqueles da cabidolândia. Que ela está cada dia mais interativa, mais adorável, que o humor dela nesses últimos dias está de "hexa, Brasil, eu amo Dunga!".

Que descobri que agora, pra fazê-la cochilar de dia, nada de relaxar, colocar musiquinha e embalar. O negócio é encher a barriga de beijos, comer as coxinhas de moça melancia, fazê-la gargalhar até perder o fôlego e dar aquela canseira nela. Depois ela começa a diminuir o ritmo da respiração, fica rindo de mansinho com um brinquedinho na mão (que ela vai balançando cada vez com menos vigor) e esperar que ela dorme sozinha.

Que agora tem que sair com ela pra rua não uma, não duas, mas TRÊS vezes, que é o sossega neném.

E que tô me tremendo de medo de voltar ao trabalho. Falta menos de um mês e meio.

18 comentários:

Paloma, a mãe disse...

Lia, quanto às comidinhas, o negócio é persistência mesmo. E eles percebem a nossa tensão, então não transforme este momento em algo tenso, apesar de que eu sei toida a frustração de quem prepara a papinha com todo amor e carinho (e suor, no meu caso) e o bebê não come nadica. Se o bicho pegar, ligue para o pediatra (eu sei que vc não gosta de ligar, mas eles costumam ter dicas legais).
Quanto às saídas, a Ciça também era igual. Tinha de sair de casa, passear sempre. Fizesse chuva ou sol, frio polar ou calor úmido demais. Não é à toa que, na pracinha, desde muito cedo eu virei "a mãe da Ciça". Sendo assim, vai que levar a papinha para a praça e dar ao ar livre não funciona, hein? É mais leve para vc e pode ser mais legal para ela.
Beijos

Fabi disse...

Menina vc acredita que eu nem comprei o kit papinha ainda? Eu queria ter comprado pelo menos uma colher de silicone no domingo, pra começar esta semana a dar alguma coisa que não seja leite, num horário fixo. Mas acabei não comprando. E esta semana o pai dele viaja e praticamente não vai acompanhar o início do comilança... ou seria da cuspilança? hehehehe.

Sei que é difícil quando a gente tá doente, mas força aí viu? E você chorar faz parte e muitas faz bem também!
Bjocas

Tathyana disse...

Ai Lia, dá um aperto no peito.... ontem fui visitar uma creche aqui perto de casa e quase tive um troço. Parecia um presídio de bbs. Até quando der quero ficar em casa com o Rafael. Sei que não é uma opção pra muita gente, inclusive pra mim que tenho a renda que depende única e exclusivamente do meu trabalho. Mas por enquanto será assim. Vamos viver apertados até eu encontrar outra solução. Ohhh mas ele ainda nem nasceu e eu já estou preocupando com isso.

Sobre a Emília, veja com o médico se não é melhor vc usar a técnica mais antiga que seria recomeçar com ela com sucos e frutinhas. É mais fácil para o paladar do bb aceitar, já que vc precisa ganhar tempo porque tem um trabalho que te espera. Essa fase é triste mesmo, mas passa tá? Qualquer coisa tô aqui a disposição.

Bjssssssss

Patrícia Boudakian disse...

Cada fase é uma né? Mas acho que a de voltar ao trabalho deve ser a pior de todas. Você entra num ritmo de dedicação ao baby, e quando está se adaptando à nova rotina tem que parar tudo e voltar ao trabalho. Sem contar que acho que eles são muito novinhos pra ficarem longe da mãe... enfim, ossos do ofício. Boa sorte com tudo. beijos

Hilan Diener disse...

só orando né Lia! Espero que tudo dê certo.

Ana disse...

Dá vontade de chorar mesmo quando a gente percebe que por mais que se planeje e tenha tudo traçado em como fazer, as coisas nem sempre saem do jeito que a gente esperava.
Com criança é assim. Algumas coisa são mais fáceis do a gente imaginava e outras se mostram muito mais dificeis.
E para ajudar cada criança é de um jeito.
O meu como já disse, foi osso.
Não aceitava comida de jeito nenhum.
Todo dia fazia aquela papinha caprichada, balanceada, etc, mas quem abria a boca era eu. Chorava de decepção.
Resolvei relaxar. Tentava todo dia, almoço e janta. Não queria então dava o leite.
Até que um dia ele bateu o prato todo.
O negócio então é paciência mesmo.
Na creche ao ver as outras criança comendo irá despertar a vontade tb.
Beijos

Marina Fiuza disse...

Ah Lia... fico com o coração apertado só de pensar no seu drama de volta ao trabalho. Eu já avisei pro meu marido: outro filho só se eu puder pedir as contas na escola. Eu sou professora, o que facilita muito por conta de horários e férias. Mas semana passada mesmo, minha pequena estava com febre e eu não pude ficar com ela... fui para o trabalho aos prantos e certa de que lugar de mulher é em casa com os filhos. Oh céus... Não fica pensando que está no fim não, para não começar a sofrer por antecedência. Boa sorte amiga (eu não sou do tipo que chama qqer um de amiga, mas deu vontade).

Juliana disse...

Lia querida!O que posso te dizer sobre a volta ao trabalho?Realmente é muito díficil, mas dói muito mais na gente do que nos nossos bichinhos.Eu tb comecei a sofrer mais de um mês antes e não tem como não sentir.Se posso te dar um conselho é o seguinte, escolha a escola e faça uma adaptação longa, dez dias pelo menos, e nunca, em hipótese nenhuma fique ouvindo ela chorar do lado de fora como eu fiz.Deixe-a e saia para dar uma volta, estar do "outro lado da porta" não fará diferença para a adaptação dela e te poupará de um sofrimento inútil. Força aí e boa sorte.

Patricia disse...

Lia, repita o mantra que com bebê nenhum dia é igual ao outro. Vai passar! Eu sei que o pediatra sugeriu começarem com os legumes mas quem sabe tentar uma frutinha não rola melhor. Fala com ele. Banana quase sempre é sucesso garantido. E ajuda Emília a aprender a comer.
Boa sorte com tudo. E, garanto, voltar ao trabalho não é tão ruim como parece.
beijos e tô na torcida

Neda disse...

Lia, a introdução das papinhas é assim mesmo, não é de uma hora pra outra não (quem me dera), por um tempo a comida principal dela ainda vai ser o leite, mas devagar e sempre a coisa muda. Como já falaram, relaxa, que eles sentem a nossa ansiedade e a coisa piora, muito. O Guilherme nunca comia bem em casa, mas na escola batia um pratão e as vezes tinha bis. Eu ainda passei um bom tempo fazendo papinhas caprichadas, coloridas, mas ele não comia, só se fosse Nestle. Relaxei ... fim de semana era a minha folga (risos) o peito tava lá, muito bem a comida podia ser de potinho. Com um ano ele já comia a comida da casa e hoje come bem, quando quer!
Quanto a escola, mãe sofre muito mais do que a criança, mas muito mais. Então, fique tranquila, faça a adaptação com calma e aceite que algumas vezes a coisa não vai ser nada, nada fácil, outras vai ser tranquilo, tranquilo.
Bjs

Kelly Resende disse...

Oi Lia, a volta ao trabalho é uma coisa que preocupa mesmo, eu volto em setembro e por mais que tente não pensar nisso ainda, toda hora me pego pensando. Ainda preciso escolher a creche!
Mas a Emilia é sapeca hein! Pra dormir tem que pegar um fogo antes. rssss
Adoro seus posts pois sempre estão um passo a frente do eu terei que fazer, aí já vou pegando suas dicas. rsss
Abraços

Desconstruindo a Mãe disse...

Oi, hoje estava pensando em tantas novas amizades que fazemos entre as mães blogueiras e lembrei do quanto gosto de ler o que escreves, com a simplicidade de uma conversa entre mães no pátio da escola... Me sinto em casa ao ler teus escritos!

Por isso, te convido a pegar o selinho e participar da brincadeira de contar o que te fez blogueira!

Fica tranqüila, que a filhota vai sentir tua segurança e vai abrir o coração e um bocão imenso para experimentar as frutinhas, beber os sucos, almoçar e vai até pedir sobremesa!

Beijo!
Ingrid

Journal de Béatrice disse...

Putz Lia... COntagem regressiva para retornar ao trabalho, que aperto...
Estou torcendo para td dar certo.
Qto as papinhas, o negocio é ter paciencia e persistencia, é uma transição (importante) e dificil mesmo. Aos poucos ela vai comer mais. A Paloma tem razão, caso vc ache que ela não come nadica de nada, fala com o pediatra, para ver se tem outra solução... Bjssss

Sandra - Mamãe e Aprendiz... disse...

Amiga, só uma frase, que li esses dias, pra resumir a fase que vcs estão passando: A ÚNICA CONSTANTE NA VIDA DOS PAIS É A MUDANÇA!
Minha bebê está com 14 meses, eu sou daquele tipo de rotina, organização... mas infelizmente aprendi 'a duras penas' que com um bebê em casa não rola assim... quando a gente pensa que tudo está mais ou menos previsível, acontece algo e muda tudo... ou nascem os dentes, ou pegam resfriado, ou querem mais um pouco de colo, um dia raspam o prato, outro dia ficam só no leite o dia todo... e assim vai passando...
E sobre trabalhar fora, sei que algumas mãe não tem outra opção, mas eu comecei quando a Melissa tinha 9 meses. O dia todo, ela fica 10 hs na escolinha, longe de mim... e pra mim não está dando mais, amiga... estou "me ensaiando" pra falar com a chefe neste começo de mês e pedir demissão... minha princesa está crescendo longe de mim e não estou conseguindo conceber esta idéia... vou ver se consigo algo meio período só, e o maridão que dê jeito no resto... rsrsrsr...
Super beijo! que Deus te abençoe e te dê sabedoria no dia-a-dia com sua princesa!

Tchella disse...

aiiii google! eu tinha escrito um baita comment e nao entrou! >=[
vamos de novo... eu acompanhava seu blog direto até o nascimento da emilia, depois acabei perdendo nao sei como, nesse meio tempo resolvi criar um blog, e ontem encontrei o seu novamente, li tudo, até chegar no nascimento da emilia e aqui estou eu... me identifico bastante com vc, tbem sou ovo-lacto-vegetariana, cuido oq como, faço exercicios, caminhadas, enfim... e qro mto um parto natural, sem anestesia... oq acontece? meu gurizinho tá sentado :( me dá vontade de chorar só de pensar numa possivel cesariana... nunca me imaginei passando por isso, sei q tenho condiçoes de ganhar PN, ai to meio carentona confesso! sabado entraremos para semana 32a, na 30a fiz uma eco e ele já pesava oq deveria pesar com 32 semanas, ao inves dos 1300kg, já estava com 1818kg, um fofo, para minha alegria!! mas sentado... :( se puder me escreva, ficarei feliz, hehe...

ah! p ajudar ainda estou com tosse ha 1 mes e ela me receitou antibiotico, posso chorar, néam? tenho ou nao direito a devorar toda uma barra de milka? hehehe

www.teacupncake.blogspot.com
stelafigueiro arroba brturbo ponto com ponto br

piscardeolhos disse...

querida, para o noah a transição pra comida foi uma merda, eu me estressava, ele se estressava e assim não chegávamos a lugar nenhum!
eis que o tempo foi passando e a coisa foi melhorando naturalmente...
mas ele só passou a bater um pratão mesmo quando entrou na escola, com 1 ano.
e hoje come bem, muit bem - quantidade e qualidade.
se eu soubesse disso lá naquela época, não tinha feito tanto drama (but then again I AM a drama-queen, you know..)

Sarah disse...

Oi Lia! Realmente, os bebês não são constantes... o que corresponde ao desenvolvimento deles, mas aumenta nosso cansaço né! Estou tendo problemas com o sono do Bento, que era uma maravilha e agora está todo entrecortado. Mas é assim mesmo, um aprendizado frequente, para eles e para nós.
Com relação à papinha, concordo com as meninas: tente dar fruta. Eles têm mais facilidade em gostar dos sabores doces, por isso a fruta ajuda na transição para alimentos sólidos. A primeira que Bento comeu foi banana amassada, e a primeira papinha salgada foi de beterraba (que é docinha). Claro que há as dificuldades iniciais, mas com persistência ela vai gostar e raspar o prato.
Sobre a volta ao trabalho... também fiquei apavorada quando esse dia estava chegando, ficava nervosa só de imaginar. Mas foi super tranquilo, melhor do que eu esperava. Para bebês menores assim como a Emília a adaptação é até mais fácil do que quando estão maiores, que entendem melhor e nos questionam. Fica tranquila que ela estará super bem cuidada.
Por fim, melhoras para você! Mãe não deveria ficar doente né... mas logo vc está inteirona de novo para a Flóris!
um beijo!

Renata disse...

Esse começo com a comidinha é complicado mesmo, eles ainda não estão acostumados à textura...um dia acham bacana, no outro cospem tudo. É normal, tem que insistir mesmo até o negócio engrenar de vez!
Quanto à volta ao trabalho, não passei por isso, mas posso imaginar como deve ser complicado. O importante é que você encontrou um lugar super bacana pra ela ficar, e vai ficar tranquila (na medida do possível) sabendo que ela estará bem cuidada.
E o sono...ah, o sono! São tantas fases, tantas mudanças até eles se acertarem de vez!!!
Força, querida!
beijos

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.