sexta-feira, 8 de julho de 2011

Cosméticos infantis: protegendo as nossas meninas

A publicou recentemente um post sobre a moda de distribuir frascos de esmalte como lembrancinhas em festas de aniversário de crianças de 3, 4 ou 5 anos. Já conhecemos ainda as festinhas em salões de beleza, só para meninas. A Paloma também tem falado muito sobre o assunto, levantando os problemas da adultização das crianças e da erotização precoce.

Mas não é disso que venho falar. Independente de você ver ou não problema em pintar as unhas, os lábios, as bochechas de uma criança pequena, é importante cuidar da saúde dessas meninas. Pra você, um esmalte vermelho nas unhas de uma menina de 4 anos pode ser um horror; ou pode ser apenas uma brincadeira, como quando ela calça seus sapatos. Mas, se for permitir que sua filha se pinte, escolha sempre cosméticos apropriados para a faixa etária, registrados na Anvisa.

Os cosméticos para adultos contêm substâncias tóxicas ou alérgenas que, se fazem mal pra nós, pras pequenas mais ainda. Sabe aqueles batons mais incríveis, de alta fixação, que passam o dia inteiro na boca? Contêm chumbo.

Segundo a Anvisa: “Um requisito essencial para a maquiagem infantil é ter baixo poder de fixação e ser facilmente removida da pele com água”. Isso porque, como eu disse, os agentes fixadores costumam ser tóxicos.

Quanto aos esmaltes: “Esmaltes permitidos para crianças são aqueles à base de água e que saem sem necessidade do uso de acetona ou removedor. Por não possuírem solvente, o cheiro dos esmaltes infantis é bem diferente do presen­te nos esmaltes para adultos.”

Além disso, as embalagens de cosméticos para crianças (a Anvisa classifica como cosméticos também os produtos de higiene pessoal ou cuidados com a pele, como sabonetes, shampoos, hidratantes e filtros solares) também têm exigências específicas: “...devem apresentar siste­mas e válvulas de dosagem que permitam a liberação de peque­nas quantidades do produto e não devem ter pontas cortantes ou pe­rigosas.” O guia completo da Anvisa sobre cosméticos infantis você encontra aqui.

O Regulamento Técnico para Produtos Cosméticos de Uso Infantil, também da Anvisa, especifica todos os requisitos para o registro de cosméticos de risco grau 2 indicados para crianças: tudo tem de ser atóxico e fácil de remover. É interessante notar a indicação etária mínima desses produtos:

- fixador de cabelos: a partir de 3 anos. Deve ser aplicado exclusivamente por adulto.
- batom, brilho labial, blush e rouge: a partir de 3 anos, deve ser aplicado exclusivamente por adulto. Para maiores de 5 anos, deve ser utilizado com supervisão de um adulto.
- esmalte: a partir de 5 anos. Deve ser aplicado sob a supervisão de um adulto.

Percebam que não existem esmaltes seguros para crianças com menos de 5 anos.

Confesso que não tenho opinião formada sobre permitir ou não que minhas filhas pequenas se maquiem ou pintem as unhas. Eu mesma praticamente não uso maquiagem e só faço as unhas se tenho algum casamento pra ir. Devo ir ao salão, sei lá, 3x por ano pra cortar o cabelo. Quando chegar a hora, tentarei lidar com a questão com sabedoria.

Mas independente da sua visão como mãe – se pintar é deixar a infância antes da hora ou é apenas uma fantasia –, não deixe sua filha usar cosméticos para adultos ou de brinquedo (que servem para pintar bonecas). E, por favor: não pinte as unhas da sua filha se ela tiver menos de 5 anos, porque não é seguro.

7 comentários:

Mãe de Duas disse...

Menina, mas como tenho pensado (e vivido!) isso ultimamente. Tenho um post semi pronto, pois como contei lá na Paloma, minha posição é caminho do meio. Ou seja: deixo, mas sob supervisão. Elas BRINCAM de maquiagem. E por isso eu vou atrás de produtos adequados (se é que existem tais).
Mas preciso te contar que aprendi tudo isso que você alertou aí em cima da pior forma possível: comprei produtos com embalagens bonitinhas e quando percebi, o rosto da minha filha estava inchado e vermelho com uma baita alergia.
#maedemerda.
Legal o post, Lia!
Bjo
Priscilla

Fabiana disse...

Lia, adoro informação!! E esse seu post me trouxe coisas que eu nem sabia que existia! Obrigada! Sempre cuidei para evitar excessos, mas ainda não tinha me ligado na nocividade de alguns componentes dos cosméticos. Confesso que usar acetona nos dedinhos da minha filha sempre me incomodou muito... mas não tinha ainda refletido sobre o esmalte em si. Desde que Joana nasceu eu fiquei mais largada... então há tempos não vou ao salão. Nossos hábitos influenciam muito, né? Júlia sempre ficou muito encantada em me ver maquiada... e isso era quase que diário por aqui. Ela, inclusive, se referia a mim como "vc bonita" quando eu estava maquiada. E já chegou a brigar comigo cerrta vez que fui ao salão sem ela. Hj isso tá mais de lado... e eu tenho preferido assim. Maquiagem agora só de vez em quando e para brincar e não para sair.
Ótimo post!!
Beijos

Marina disse...

Lia, eu não passo nada na Bia e nem a estimulo a passar. Entretanto, eu faço minhas próprias unhas em casa e minha maquiagem tb, portanto se um determinado momento ela pedir pra passar batom ou esmalte, eu com certeza absoluta comprarei específicos pra idade dela!

A minha dermato, assim que eu estava grávida, já foi me falando que ela tinha duas pacientes de 3 e 4 anos que muito provavelmente não poderiam nunca mais usar esmalte porque as meninas, desde que eram muito pequenas (imagino q 1 ano e pouco, pq muito pequenas elas ainda eram) pintavam as unhas de esmalte semanalmente, quando a manicure ia em casa fazer as unhas das mães! A unha de uma das meninas ela descreveu como sendo uma pelicula de tão fina, porque a alergia fez a unha descarcar em lâminas! Fiquei horrorizada!

Acho que a brincadeira de querer imitar a mãe é mais que natural e faz parte do crescimento. Eu quando estou me maquiando já deixo uma esponjinha limpa, sem nada pra Bia porque ela sempre pede! Ela quer me imitar! Mas eu não dou mais nada! Só entrego a esponja que ela fica passando no rosto! Da mesma forma com minhas pulseiras e anéis. Os anéis eu morro de medo dela engolir, então deixo que ela brinque por alguns segundos com eles na minha frente e digo que eles tem que ser guardados! rs

Mais que uma questão de adultização precoce é, como vc mesma falou, uma questão de saúde.

Mari Mari disse...

Lindo post, Lia. Lindo, e super útil. Eu também sou do tipo cara-lavada-cabelo-molhado-tô-linda!, mas também tenho uma filha e quando ela se interessar por essas coisas, já terei informações na manga. Obrigada!

Paloma, a mãe disse...

Lia, de todas as maquiagens que se colocam em crianças, eu sempre achei esmalte a pior. Primeiro, porque o cheiro é péssimo (eu não gosto nem que a Ciça fique perto quando estou passando, não quero que ela inale aquilo), segundo porque as crianças usam as mãos para brincar e estas não devem estar pintadas, o que já é um impedimento, né? Batom aqui em casa é manteiga de cacau líquida, que dá um brilhinho, ela adora.
Mas eu não queria comprar maquiagem PARA ELA, sabe? Se um dia eu fizer o Dia da Maquiagem (devo fazer um dia, mas tô adiando ao máximo, na minha cabeça isso é só com 5 anos), eu usaria as minhas nela e lavaria o rosto logo. E esmalte nem pensar, eu não consigo não achar bizarro criança de unha pintada, prontofalei!
Beijos

Amanda Lima disse...

Quando disse em um blog sobre esmaltes que eles não deveriam ser usados em crianças, fui apedrejada, todas dizendo "eu usava e sobrevivi".
Aqui em casa não deixo usar e pronto. Tem choro? Sim, sempre. Mas explico que só pode usar esmalte quando crescer. A única coisa permitida é manteiga de cacau para o inverno gaucho (tava -1ºC hoje de manhã).
Criança não precisa disso agora, vai ter cinquenta anos pra usar maquiagem!
Vamos divulgar essa infomação!
beijos

Sarah disse...

Muito bom o post Lia. Só tenho o Bento e tb sou estilo cara-lavada-salão-só-de-vez-em-qdo. Mas de todos os itens de maquiagem, tb acho o esmalte o pior em crianças. Se tivesse uma menina iria no caminho do meio, deixaria ela brincar com produtos infantis mesmo e esmalte só maiorzinha.
bjos

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.