segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Não mexe com minha filha

A gestação, com sua natural fragilidade, é o momento ideal para determinar a posição específica da mulher na sociedade, assim como ensiná-la (doutriná-la) sobre a forma como seu filho deve ser inserido na mesma."
Ricardo Jones, in Memórias do Homem de Vidro – Reminiscências de um Obstetra Humanista (Porto Alegre : 2ª Edição, Idéias a Granel, 2008).

A gestante é uma vítima ideal para os abusos médicos e institucionais. Mas esses mesmos agressores se esquecem que depois da gravidez vem um filho, e a gente se transforma em mãe – que de frágil não tem nada. E a Pollyanna que em mim um dia habitou já era.

E é por isso que redigi esta denúncia que vou encaminhar ao Conselho Regional de Medicina assim que eu tiver o resultado de um último exame. Mexe com minha filha, pra você ver.

+++

Venho apresentar denúncia contra a médica XXXX, CRM XXXX, por erro de diagnóstico e tratamento.

No dia 01/12/2010 eu e meu marido comparecemos ao Pronto Socorro do Hospital XXX com nossa filha Emília, 11 meses incompletos. Ela apresentava um quadro de febre persistente.

Fomos atendidos pela médica XXXX, que solicitou uma radiografia do pulmão e exames de sangue e urina, incluindo urocultura. Como os exames demoraram a ficar prontos, os médicos trocaram de turno e fomos atendidos em nosso retorno pela médica XXXX.

Apresentamos os exames de urina e sangue e a radiografia dos pulmões. O exame de urocultura só ficaria pronto em cinco dias. A partir desse material, a médica diagnosticou uma infecção urinária e prescreveu o antibiótico XXXX. Não houve nova análise clínica da paciente, apenas uma visão superficial e apressada nos laudos dos exames. Ela não perguntou pela urocultura, disse que eu tinha de oferecer 2L de água por dia à minha filha (que pesava pouco mais de 8kg) e que, se ela não aceitasse essa quantidade de líquido, que eu misturasse a água com Ki-suco.

No dia 03/12/2010, levei minha filha a um pediatra particular, Dr. XXXX, que observou os exames e detectou a falha no diagnóstico, já que o exame de urina era inconclusivo e apenas a urocultura poderia confirmar a infecção urinária. Pelo exame clínico, identificou sinais de inflamação no ouvido, concluindo que a infecção provavelmente era no ouvido. Prescreveu o antibiótico Zinnat e pediu que aguardássemos o laudo da urocultura.

Considero os fatos ocorridos muito graves, uma vez que um bebê de menos de um ano foi submetido a dois dias de tratamento inadequado, com medicação de venda controlada, que mascarou a doença e poderia ter levado a seu agravamento caso eu não tivesse buscado uma segunda opinião.

Dessa forma, solicito as providências desse Conselho para apurar os fatos, de modo que outros pacientes não venham a ser prejudicados por condutas irresponsáveis que arriscam gravemente sua saúde.


+++

Meninas, não confiem a saúde dos seus filhos aos médicos. Estudem, investiguem, contestem, peçam outras opiniões. E denunciem.

25 comentários:

Sarah disse...

Caramba Lia!! Que absurdo!! Vc fez muito bem em buscar outra opinião e denunciar a médica. As mães conhecem bem os filhos, percebem quando há algo errado. Que bom que vc conseguiu contornar o problema com outro médico. Também viro bicho se acontecer qualquer coisa com Bento... Emília está melhor??
beijo!

Tathyana disse...

What the hell...???

Fala sério né Lia, estamos mesmo a mercê de médico mal preparados que saem diagnosticando a torto e a direito. Adorei a sua bravura em não deixar passar batido essa irresponsabilidade. Depois me passa por e-mail o nome completo dela porque caso eu vá a algum pronto socorro da vida e for ela, dou meia volta.

Ah! E coloca lá no final que por causa dessa confusão toda ela não pode ir a festa da amiga Alice. Isso agrava muito o quadro.

Bjssssssssss

Fabiana disse...

Isto me fez lembra muito o problema que uma amiga passou recentemente com o filho. Entre os muitos absurdos que ela contou, uma delas foi que o médico queria dar bezetacil no menino, alegando que ele estava com otite nos 2 ouvidos e amgdalite. Quando ela disse que ele é alérgico ao princípio ativo de um dos componentes, o médico insistiu, ficou bravo com o Não que ela deu e praticamente a expulsou do hospital. No fim, o problema real dele era no pulmão e a pediatra que fez o diagnóstico correto, reafirmou que ele NUNCA pode tomar bezetacil.

Enquanto eu lia o post dela, fiquei até com o rosto quente de raiva.

É de amargar!

Beijos pra você, parabéns pela iniciativa da denúncia e espero que Emília esteja bem melhor!

Devaneios de Mulher disse...

Olá Lia, este eu post é um serviço de utilidade pública.
Também passei por um erro de diagnóstico no ultimo mês!
Levei minha caçula no hospital e a médica a diagnosticou com sinusite e passou um antibiótico. Daí que ela não melhorou e no outro dia levei-a em outro pronto atendimento e ela a diagnosticou com virose e cortou o antibiótico. Após isso ela melhorou.
O que fica disso tudo?
Nunca acharmos que médicos são Deuses, eles são pessoas, passíveis de erro. Não podemos acreditar 100%, ao menos indício de dúvida, bora pegar outra opinião.

Beijo

Naiara Krauspenhar disse...

Que horror!!!
Por isso repito que vale a pena cada centavo que gasto com o médico da GG... ele é maravilhoso.
Depender de médicos hoje em dia é complicadíssimo.
Que bom que não aconteceu nada de grave flor, que bom que procurou uma segunda opinião.
Eu, mesmo amando o médico da GG, já pedi uma vez uma segunda opinião por ter ficado em duvida. Mas por sorte ele estava mesmo correto.
Mas é isso, na duvida sempre consulte outra pessoa.
BJoooo

(Mamãe) ~Pinel disse...

Poxa vida, Lia!
Ainda bem que você procurou uma segunda opinião! Ainda bem mesmo!

É nessas horas que dá vontade de fazer um curso de medicina para que nós mesmas possamos diagnosticar as nossas crias.
Mas, eu estou com você, ficou na dúvida, o certo é procurar uma segunda opinião!
Nada de mexer com nossos filhos, que a gente vira bicho (irracional mesmo)!

Beijo! Espero que dê resultados a sua denúncia!

Cíntia Anira disse...

Peraí. Será que eu li bem? Você disse "KI-SUCO"? aquele pó que rende uma jarra de suco artificial??? VOu lá ler de novo...

Barbara disse...

Lia, infelizmente nem toda mulher, quando vira mãe, vira leoa que nem você. Tem uams que ficam frágeis mesmo, perdidas, loucas para seguir orientação de alguém.

Sorte da Emília que a mãe dela não é dessas, e que bom que você resolveu o problema! Se todo mundo fizesse isso...

(e vc me fez vencer a preguiça e escrever sobre o assunto também - veja só, dois posts em 3 dias!)

Barbara - baxt.net/blog

Michele disse...

Lia, a maternidade nos desperta os instintos mais primitivos e protegemos com a vida, se necessário, a vida do nosso filho. Eu que tenho a minha pequena na barriga ainda, já sei disso! Você está certíssima em levar o caso adiante com essa denúncia, pois é por conta de profissionais assim, que vemos nos noticiários tantos finais trágicos e precoces. Graças a Deus a outra pediatra soube identificar o problema e tratar sua filhinha corretamente! Não podemos mesmo deixar passar e devemos ficar atentos a tudo - segunda opinião médica é sempre importantíssima (ainda mais quando o 6º sentido de mãe grita!).

Beijos e melhoras para a Emília!

:)

Carol Passuello disse...

Lia,
Apesar da seriedade e tristeza do motivo do post, estás de parabéns pela tua conduta.
2 litros de água para um bebê, e ainda por cima com Ki-suco? Só pode ser brincadeira...
Bjs e melhoras pra pequena!

Joci disse...

Minha nossa Lia, isso é muito séria! É a saúde de nossos bebezicos! Fico muito indignada com essas coisas! Onde está a responsabilidade dessa gente hein!?
Se essas pessoas não tem capacidade de fazer as coisas de forma corretas, ou se estão com preguiça de atender direito, fiquem em casa! não se brinca com saúde...

Melhora na saúde da Emília!

Beijos

Patrícia Boudakian disse...

Pois é, Lia. Um horror! Nem em médicos podemos confiar, veja. Temos que ficar muito atentas. Você viu no jornal o caso da menina de 12 ou 13 anos que foi ao pronto-socorro porque estava com virose e ao invés do soro deram vaselina na veia para a menina? Ela morreu em seguida. Um absurdo. Um hospital na zona norte de SP de responsabilidade da Santa Casa. Fiquei chocada. Temos que nos precaver e procurar sempre mais de uma opinião! Fico feliz com sua iniciativa!
beijo solidário!

Ana disse...

Tá muito dificil essa situação.
Se a criança adoece seriamente a noite e nos fins de semana ficamos a mercer de médicos assim.
Sempre que precisei levar em PS na segunda levava na pediatra dele para confirmar os medicamentos.
Dei sorte por não ter acontecido nenhum erro.
Mas com certeza não devemos aceitar tudo só pq a pessoa está de jaleco branco e tem diploma. Trata-se da vida dos nossos filhos.
Na duvida tem que procurar segunda opinião.
Beijos!

Kelly Resende disse...

Nossa, é revoltante isso! Vc está certissima de denunciar, temos q fazer isso mesmo! Outro dia a pediatra me mandou dar antibiotico pra Clara pq disse q ela estava com inflamação no ouvido e no final não tinha nada disso! É cada uma viu!
Beijos

lu santos disse...

Oi, Lia. Espero que a pequenina tenha melhorado.
Infelizmente não me surpreendi com seu relato. Já recebi vários diagnósticos errados aqui em Bsb e tbm encaminhei denúncias para 3 hospitais (Santa Helena, HCB e Hospital Brasília), depois de problemas com o atendimento.
Tenho 2 meninos (2anos e 2 meses)e uma pilha de receitas de antibióticos que eu não dei, pq foram desnecessários.
É comum sairmos de uma consulta e corrermos para outro hospital no mesmo dia em busca de outro parecer.
Se o problema é contornável, isso é, se não agrava à noite ou no final de semana, preferimos esperar e pagar consulta para médicos de confiança que atendem em clínicas. A maioria deles, aliás, não leva os filhos a hosptais, pq conhece a situação dos PS daqui: pediatras mal formados e desestimulados pelos valores pagos pelas empresas de saúde e hospitais (40,00 por consulta). Um médico me contou que não há interesse dos hospitais em manter equipes de pediatras, pois essa especialidade não é rentável o suficiente.
bj
Lu

.daisy. disse...

É, tem mais é que denunciar mesmo.

Hoje vi uma matéria triste demais no jornal, também por culpa de negligência médica: uma menina foi levada ao posto de saúde para tomar soro e a enfermeira se enganou e injetou vaselina nela. Isso, VASELINA. Ela morreu em seguida, claro. Agora você imagine que absurdo uma falha dessas. Me dá arrepios só de lembrar.

Por isso você está mais do que certa em fazer a sua parte. Hoje em dia não podemos confiar a saúde de nossos filhos a ninguém, nem a enfermeiros, nem a médicos - ninguém mesmo. =/

Beijo!

Ana disse...

Meu Deus que absurdo!
Graças a Deus eu consegui uma ótima pediatra para o Felipe, que atende o celular até de madrugada.
Um dia ela estava de férias e o Felipe teve quase 39 de febre na madrugada. Levei no PS do hospital e em 5 min o médico já tinha diagnostico e lista de rémedio. Liguei p minha pediatra e ela me passou apenas a medicação pra abaixar a febre e me atenderia no outro dia cedo no consultorio pois chegava das férias. E os rémedios dela eram completamente diferentes do médico do PS e era infeccção de ouvido também e em dois dias o Felipe estava ótimo. Com saúde não se brinca. De dou total apoio pela carta, boa inciativa Lia!

Martha disse...

Eita.. isso assusta né?!
Pessoas que, teoricamente, são as mais capacitadas para cuidar dos nosso pequenos tem se mostrado, em muitos casos, relapsas e descuidadas. E uma coisa que não dá para ser com saúde, principalmente de uma crinças, é relapso descuidado!

Que bom que procurou uma segunda opinião e é isso mesmo que temps que fazer: botar a boca no trombone quando ocorrer alguma coisa do tipo!

Bjs em vcs

Micheli disse...

Lia, eu teria, no mínimo, uns seis médicos para demunciar. Infelizmente cada vez mais chego a conclusão que eles são mal preparados, SIM. Eu pesquiso, contesto remédios (embora a minha pequena tenha tomado vários errados esse ano), troco de médicos. Meu marido me critica, pois diz que eu quero saber mais que os médicos. Mas e aí, quanto tratamento errado ela se submeteu? Agora ouço de um especialista que ela estava piorando algo simples, segundo ele, por remédios errados... E aí, o que meu marido me diz? Eu falava, ele não acreditava, achava que eu e o Dr google queríamos saber mais que aqueles que estudaram anos e anos sobre isso. Pois é, e aí? Ainda assim, erraram, e erraram. E dá-lhe a coitadinha tomar remédios sem necessidade.
Eu não tinha pensando nessa possibilidade, de denunciar. Mas, sabe, depois do que venho passando, vou pensar seriamente no assunto. Você está super certa.
Beijos.

Natalia disse...

Uai... Vim ver os comentários desse post e fiquei surpresa de não ver o meu aqui... Ele num chegou? Ou foi censurado mesmo? Se foi censurado, sem problema, você tem todo o direito de censurar, o blog é seu, né? Mas o que eu escrevi de errado? Fiquei meio sentida, sabe?, de que algo que eu escrevi num foi aceito... Ficaria muito grata se você pudesse me dizer qual foi o motivo.
Natalia
leiteeprosa@gmail.com

prisveiga disse...

Amei seu blog e sua coragem, sou farmacêutica e dia após dia vejo esse tipo de horror acontecer. Médicos sem responsabilidade e respaldo de exames, prescrevem erradamente antibióticos de última geração a crianças e até a bebês, um absurdo total, pois se o diagnóstico não for confirmado corre o risco do mesmo adquirir resistência à aquele medicamento e aí, se no futuro precisar usá-lo realmente já era, não servirá mais.
Se todas nós fizéssemos isso que você fez ou está pretendendo fazer, eles com certeza tomariam mais cuidado, pois é lindo criarem legislações proibindo a venda de antibióticos com receituário normal mais e os medicamentos que os médicos irão receitar errado nessas receitas, quem irá controlar?
Bjinhosss e siga em frente com sua idéia, certíssima.

www.rosaturquesa.blogspot.com

Natalia disse...

Ufa, Lia. Fiquei mesmo aliviada. Sabe que ontem fiquei pensando nisso, falei até com meu marido, me sentindo previamente censurada. Eu tinha escrito no comentário da minha profissão – médica. E hesitei muito em escrever, porque não escrevo disso no blog. Sou psiquiatra e tenho receio dos meus pacientes “me acharem” aqui, procurarem saber da minha vida...
Aproveito o ensejo pra dizer outra coisa. Não sei se você reparou, andei meio “sumida” dos comentários no seu blog. Sabe por quê? Porque assim que comecei a escrever o leite e prosa, me percebi num espécie de frenesi, muito preocupada com visitantes, seguidores, comentários, etceteras. Cheguei a “seguir” blogs só pra ser “seguida”; linkar, idem. (ai, fico até com vergonha de dizer. Mas aconteceu!) E depois de um tempo “investindo”, se não havia retorno, “pulava fora”, deslinkava. Com o seu, aconteceu assim. Mas aos poucos, fui percebendo os verdadeiros papéis do blog pra mim: um espaço de lembrança, um exercício de escrita, uma possibilidade de troca. Comecei a escrever com menos freqüência, porque ditada por outro ritmo: o meu. E percebi que, mesmo sem ter o seu blog linkado no meu, eu sempre “bisolhava” seus posts. Vi a Emília candidata a presidente (e fiquei com a música na cabeça dias!); acompanhei a árvore de Natal; me maravilhei com ela na praia. E percebi que gosto muito do 1,2,3 saco de farinha! Então deixei de ser besta (bom, pelo menos estou tentando...), guardei o orgulho bobo bem entuchado dentro do armário, e voltei!
(Agora me diz, se eu achar que tinha sido censurada não poderia ter o outro nome de CULPA? Hein?)
Beijos, e nos vemos por aqui!
Natalia

Dani, a Mãe da Flor disse...

Esse negócio de pediatra é fogo, né... estou no maior dilema... rsrs
Parabéns pela atitude!!
Bjs!!

Paloma, a mãe disse...

Lia, eu só vi este post agora! Mas eu já sabia da história, só esqueci de te dizer que este hospital em que vc foi é conhecido por só ter residentes na amergência pediátrica, sabia? Não sei se ainda é assim, mas esta médica é residente? O CRM é dela mesmo?
Beijos

Raquel Gomes disse...

Toda vez que passo por um médico em pronto socorro, fico em pânico. Por isso, desde o começo da gravidez, deixei claro com a família, marido e médica que seria minha obstetra quem faria meu parto. Se não for com ela, não vai sair bebê nenhum daqui.
Eu tive uma tendinite no pé, e o ortopedista não fez nem raio-x sem autorização por escrito da minha obstetra, nem passou medicamento nenhum, e acatou quando eu informei que não poderia fazer fisioterapia. Isso é médico.
Já no pronto-socorro da maternidade de um hospital referência, fui mal tratada por um obstetra que me fez toque às 20 e poucas semanas, diante do meu marido, sem a menor noção do constrangimento que poderia estar causando a ambos.
Fazer oq, né?
Reclamar, e esperar...
Mas quando mexem com nossos filhos, aí o bicho pega!
Você está certíssima!!!
Coloca essa filha da mãe no lugar dela. ;)
Beijocas

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.