terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Desfraldada, e agora desmamando!

Emília está oficialmente desfraldada. Há uma semana não temos nenhum xixi na calça, cocô sempre no vaso ("putê faz balulio") e até a fralda noturna já foi aposentada. Agora a próxima etapa da transição bebê-criança: o desmame.

Algumas pessoas têm me perguntado como está sendo a amamentação de Emília depois que Margarida nasceu e como estou vislumbrando o desmame.

Como a maioria de vocês que me acompanha já sabe, decidi manter o aleitamento durante minha segunda gestação e um pouco além, de modo a cumprir pelo menos os dois anos recomendados pela OMS e pelo Ministério da Saúde. Isso porque Emília tinha apenas 11 meses quando engravidei novamente, e considerava que meu leite ainda era um alimento muito importante pra ela - especialmente porque somos vegetarianos aqui em casa e optamos por não oferecer carnes a ela até ela ficar maiorzinha e poder fazer suas próprias escolhas.

Durante o segundo trimestre da gestação de Margarida, meu leite praticamente secou e ofereci pela primeira vez laticínios a Emília: queijo e iogurte natural orgânicos. Ela amou.

Nessa época teria sido fácil desmamá-la, porque quase não havia leite e o interesse dela pelo mamá diminuiu. Mas insisti porque, para mim, ela ainda era muito pequena para prescindir do meu leite - e eu não queria ter de oferecer uma grande quantidade de derivados do leite de vaca para suprir a necessidade de proteína animal. Valeu a pena, e logo veio o colostro e o "remame".

Emília, que estava mamando só duas vezes ao dia, passou a mamar três vezes ali pelos seus 18 meses. Quando Margarida nasceu - Emília tinha 1 ano e 8 meses -, foi a festa do leite. Emília parou até de aceitar o café da manhã, de tão cheia que ficava depois do mamá matinal.

Passada a turbulência inicial, comecei a colocar ordem na casa. Estabeleci horários para as mamadas - sempre depois das refeições, porque era tanto leite que começou a interferir no apetite dela - e o limite de três mamadas diárias (porque ela começou a pedir mais). Meu objetivo era tirar a terceira mamada alguns meses antes de ela completar dois anos, mas não rolou. Ela não estava pronta, e talvez eu também não.

Em janeiro, bem pela época do aniversário dela, marido de férias, nocauteei a terceira mamada. E ela completou dois anos com dois mamás ao dia. Tirei a da tarde, e ficamos com o peito de manhã e à noite.

Como à noite ela mamava depois da janta, depois ainda tomava banho e lia historinhas antes de dormir, não havia uma associação do peito com o sono noturno. E ela começou a pedir tanto pra voltar a mamar de tarde que fizemos um acordo: ela mamaria à tarde, mas não mamaria mais à noite. Ela entendeu direitinho e não pedia mais. Então continuamos com duas mamadas, mas em vez de manhã e noite, ficamos com manhã e tarde.

Daí li um post da Kelly sobre o desmame da Clara, que é pouco mais nova que Emília, e resolvi dar um upgrade no nosso desmame (ou um downgrade nas mamadas). Só que em vez de tirar a mamada menos importante pra Emília, como era o lógico de se fazer, cortei aquela que era a mais chata pra mim: a matinal.

Foi uma decisão arriscada, já que Emília NUNCA tinha deixado de pedir peito de manhã. Mas nossa rotina não estava legal: ela acordava 5h, ficava berrando até as 6h (quando eu liberava o peito), daí dormia até 7h30-8h e era aquela correria pra ir pra creche. Como tomava café da manhã tarde, chegava lá e não comia o lanche.

Então conversei com ela, expliquei que aquele mamá não estava mais legal, que estava atrapalhando o sono de todo mundo e que agora, em vez de mamar, ela comeria iogurte com aveia (A comida favorita dela). E não é que deu certíssimo? Foi bem mais tranquilo do que quando eu tirei a terceira mamada do dia. Ela passou a acordar definitivamente às 6h-6h30 para tomar logo o café da manhã, e agora conseguimos deixá-la na creche às 8h. Além disso, expliquei que agora ela ia mamar só uma vez por dia mas que em breve ela não mamaria mais. Ela parece ter compreendido bem.

Então agora ela só mama à tarde, quando volta da creche (já almoçada). Foi a mamada que ela escolheu como mais importante, e não está mais atrapalhando nenhuma refeição. Nos fins de semana, essa mamada ajuda Emília a dormir o soninho da tarde (que estava bem complicado). Estamos felizes, por mais um ou dois meses, quando nos emanciparmos de vez.

O que concluí do nosso processo de desmame:

- não existe isso de que criança que mama até dois anos não vai desmamar mais nunca, que você vai ter de passar catchup ou batom vermelho no peito ou coisa do tipo. Criança de dois anos conversa e entende, além de estar mais madura para essa separação da mãe. Então um desmame após os dois anos pode, sim, ser feito com suavidade para mãe e criança. Claro que alguns pares mãe-bebê demoram mais que outros a estarem prontos para essa etapa, mas, como disse o Dr. José Martins Filho certa vez em sua coluna no blog da Paloma, é melhor a criança mamar até três ou quatro anos do que não mamar.

- é importante que a mãe esteja segura sobre sua decisão para que o desmame funcione. Enquanto você hesitar, a criança vai resistir. Quando você mergulha de cabeça, eles costumam embarcar junto. A insegurança pode ser por várias razões - no meu caso, se Emília estaria bem nutrida sem o meu leite. Resolvi esse problema enriquecendo a dieta dela.

- é importante também ter espaço para negociações e regressões. Claro que nós somos as mães, e temos de orientar o processo. Mas temos de ouvir nossos filhos e nos deixar guiar por eles. No meu caso, deixei que Emília trocasse o mamá da noite pelo da tarde. É bom definir os pontos que são inegociáveis e manter certa flexibilidade em outros.

- quando possível, o desmame progressivo é mesmo a melhor opção. Quando tirei a mamada matinal de Emília passei o dia com os seios inchados e doloridos (mesmo com minha Margaridinha bombeando). Imagine desmamar de uma vez uma criança que mama três ou quatro vezes por dia?

- conversa, muita conversa sincera. Não se pode subestimar o potencial compreensivo e colaborativo da criança.

- e, finalmente: colo, muito colo - que é pra criança saber que perdendo o peito ela não está perdendo a mãe.

Bons desmames (ou mames, ou remames) para todas!

19 comentários:

Sofia disse...

Amo histórias de desmames tranquilos :)
Aqui também foi bem tranquilo com 2 anos o Leo simplesmente foi deixando de ter interesse e deixou de mamar.
Respeito quem não faz amamentação até que a criança se sinta preparada para parar mas confesso que fico triste e revoltada cá por dentro quando o desmame é um stress para a criança (tanto a nível de saúde fisica como psicológica)

Adorei o teu post
beijo

Paloma, a mãe disse...

Aqui já decidi que só vou começar o desmame depois que clarice entrar na escola, com 2 anos e 1 mês. Antes disso, eu não tenho estrutura para lhe negar o peito repetidas vezes ao dia. O que faço é não dar mais na rua 9salvos raríssimas exceções) e, se estou fora de casa na hora de ela dormir, não volto correndo - e, sim, ela dorme sem mamar, seja à tarde ou á noite (já testamos).
Mas, se eu estiver, óbvio que ela quer mamar.
O pai, trabalhando fora o dia todo, não pode ser o separador (só à noite), então este papel caberá também à escola. Até lá, pretendo ir dimunuindo o ritmo, mas sem controlar tanto, porque, quando estou em casa, é até cômodo para mim.
Beijos
p.s. Esta verificação de caracteres para comentar tá cada vez pior. Como vc modera os comentários, ela é desnecessária. Pense em retirá-la, porque dá um trabalho danado postar um simples comentário, às vezes a gente desiste...

Jane Garcia disse...

Olá Lia,

Concordo que devemos iniciar os processos de desfralde ou desmame quando estamos seguras e sem gerar stress.
Aqui em casa está sendo tudo muuuito tranquilo, a Rosa com 24 meses já desfraldou completamente também, tudo levado muito na brincadeira e diversão...Quanto ao mamá ainda estamos com duas vezes ao dia, as vezes somente uma mamada quando chego do trabalho. Irei permitir que ela desmame naturalmente também, não pretendo forçar em nada, inclusive pq não atrapalha a alimentação no geral.
Lia, te enviei um e-mail sobre a rotina de alimentação vegetariana. Quando puder suas dicas serão de muita ajuda.
Obrigada e parabéns

Martha disse...

Lia, já estou pensando no processo do desmame.. penso nisso já a algum tempo. Apesar de ser bom e quase cômodo ainda manter o peito, esta começando a atrapalhar nós duas...mas, sinceramente, não consigo ver esse desmame sem maiores "sofrimentos" para nós duas..
A nã o ser que eu esteja fazendo de forma errada, Laís é irredutível quando o assunto é o peito. e eu completamente redutível! ai ai!
Que bom q o processo de vcs esta se dando sem maiores dores!
Bjs

Sarah disse...

Acho admirável como vc manteve a amamentação da Emília, tanto de forma prolongada como após o nascimento da Margarida. Parabéns!
E lendo suas recomendações finais lembrei de uma amiga cujo filho, ao atingir 2 anos ainda mamando no peito, foi "presenteado" com pimenta nos seios para parar de mamar... ai ai.
bjos!

Cíntia Anira disse...

Oi Lia...

Eu tenho uma amiga que amamentou até 2 anos e meio, mas o desmame foi bem complicado. Quando ela negava o peito, a bebê ficava raivosa e chegou a dizer que a odiava. Não sei exatamente o que houve, talvez faltou essa comunicação clara que você citou no seu relato.

Eu fico bem feliz por você, que conseguiu cumprir todas as etapas, enfrentou as turbulências e teve um final feliz.

Parabéns!

beijos

Kelly Resende disse...

Adorei, Lia! Muito interessante isso dela preferir a mamada da tarde que a da noite, e legal vcs terem conseguido chegar nesse acordo. E que fartura de leite, hein menina!
Aqui se eu não tivesse "escorregado" ontem acho que já poderia considerar a Clara desmamada, mas não me arrependo, pois apesar de estar decidida a desmamar ontem senti necessidade de dar.
Beijos e boa sorte.

A Doceria da Tathy disse...

leite com catchup??? Humm vai que a criança gosta? Aí não desmama mais nunca, rsssss. Bjs

* tira essa verificação de caracters pelo amor.

(Mamãe) ~Pinel disse...

Acho que você já descreveu o desmame da Emília perfeitamente: suave!

Senti uma relação linda nesse seu relato, e seria ótimo se todas a mães e filhos conseguissem um desmame tranquilo, conversado e consentido por ambos os lados! Espero que seja assim também com a Margarida... mas essa ainda tem muito tempo até lá! =D

Lia Vasconcelos disse...

Parabéns pelos processos tão tranquilos e naturais! Aqui em casa o desfralde foi muito, muito tranquilo tb, mas confesso que ainda não encarei o desfralde noturno e minha filha vai fazer 3 anos logo mais...alguma dica? Bjs

Renata Lima disse...

Lia e Paloma,
Minha filha está com 3 meses e ela sempre quer mamar quando está com sono, ela não precisa do peito para pegar no sono, mas precisa mamar para ficar sonolenta, não nego o peito a ela nunca até porque ela é muito pequena ainda, mas fico preocupada em pensar como vai ser quando eu voltar a trabalhar, ela vai ter 7 meses, sei que ainda falta muito tempo, mas tenho medo de ficar cara vez mais difícil fazer com que ela durma sem mamar. Vocês tem alguma dica? A noite acho que isso não é um problema até porque vou estar com ela, mas me preocupo com as sonecas.

Mariana - viciados em colo disse...

ótimas dicas!
daqui a pouco vou entrar neste processo...
beijoca

Mãe do Theo disse...

Lia, li seu texto no MMQD e não pude deixar de vir aqui e te 'seguir'! Vc foi a resposta para uma coisa que venho pensando constantemente rs! Sou jornalista, desiludida com a profissão e sonho em cursar Letras, mas, aos 28 anos, as vezes me acho velha para cursar a segunda graduação e trabalhar com tradução,para completar, não quero abrir mão do Theo..bom, li seu texto, contando sua história e me estimulou bastante a seguir meu coração, nem que tenha que voltar aos bancos da faculdade.
A diferença entre nós é que sempre sonhei em trabalhar com tradução, eu com 13 anos, sem nunca ter feito curso de Inglês, traduzia músicas fuçando dicionários, era minha brincadeira preferida!! Mas, caí no jornalismo, porque "Letras não dá grana" diziam todos..e hoje me sinto incompleta, tenho que fazer curso de Inglês, uma nova graduação, tudo para fazer o que gosto e será que vale a pena? Enfim..mje identifiquei muito com vc!
Bjs!
Mãe do Theo

Taiza disse...

Lia, fico impressionada com a maturidade da Emília!
Por aqui nem cogito tirar a mamada da noite pois seria um stress, então estou pacientemente esperando que ela se auto-desmame!
Confesso que 3 anos amamentando já deu tudo que tinha que dar, mas tenho certeza que vou sentir saudades!
Bjo procês!

Gab disse...

Achei ótimo o comentário da Taíza, pra lembrar que no fim cada criança é única, e aliás cada relação mãe-filho também, o que acontece com um filho pode até não acontecer com outro... e tá tudo certo! Sem criar falsas expectativas, e sim fluir no ritmo de cada relação!

Também aposto na auto-regulação por aqui e sobretudo tem me impressionado o poder do desenvolvimento acelerado da linguagem. Cada vez mais, dá pra ir argumentando e explicando.
Por isso, acredito no auto-desmame sim, conheço relatos lindíssimos de desmame natural! (na real, a fase oral fecha mesmo a partir dos 2a e meio ou 3a, até mais pra alguns)

Muito boa a lembrança do dr. José Martins, que é melhor mamar até 3a ou 4a do que não mamar! 100% de acordo!!!

Aliás hj em dia, é cada vez mais raro encontrar bb que mama ATÉ os 2a!!! (e invariavelmente se diz que foi desmame natural... porém, largou "naturalmente" até que ponto, diante de outras intervenções na relação?)

Por outro lado, a relação é mútua, se a mãe nao tá legal e não tá mais a fim, é bom repensar mesmo, pois existem outras formas de garantir o vínculo, então tem que reconhecer as escolhas e ter paciência e compreensão, sem culpa.

Bjos pra vcs, e em especial pra sua precoce bonequinha falante!

Luciana disse...

Olá! Mt legal seu relato... Tenho uma filha de 1 ano e 2 meses e me identifiquei com o seu texto! Poss6te mandar um email? Qual o endereço?
Bjs p vcs

Janaina disse...

Adorei seu post. òtimas dicas.

Meu bb ainda tem 7 meses mas fico imaginando que essa fase do desmame e da retirada da fralda devem ser complicada!!

Mari Mari disse...

lia, eu fiquei pensando uma coisa. Voce disse que amamentar as duas tem sido pesado. Mas a Margarida já vai comecar com solidos e suquinhos dentro em breve, de modo que ela sairá do aleitamento exclusivo. olhando daqui de fora, parece que o fato de a Margarida mamar menos pode dar espaco pra Emilia continuar mamando essas duas vezes por dia que ela ainda mama. dá pra segurar as pontas por mais um tempinho? ou a estadia da Margarida (e da mae tambem, ne?) no hospital acabou desmamando a emi? beijo

Maria Betânia Fuller disse...

Ow Lia como é maravilhoso parar aqui e conseguir ler suas opiniões, decidi desmamar minha Lana de 2 anos e meio, mas tem sido dificil pela inesperiencia utilizei exatamente a opção de colocar algo nas mamas e assino embaixo do seu texto não funciona, pelo menos nãoa qui em casa, e decidi por conmversar, o problema que ela não aceita nem ao menos negociação, diz não antes que termine de falar, basta citar diminuir o mamar, não sei se agora opto pelo dizer apenas o Não curto e grosso, mas tenho dó, qual sua opinião a respeito, gostaria muito de ters eu pitaque amiga. Bjao.

Seguidores

 
Blog Design by Template-Mama.